gototopgototop
E-mail Imprimir PDF

Viajando no Graf Zeppelin

Zeppelin_em_Joinville


Para atender os dirigíveis alemães no Rio de Janeiro, a Luftschiffbau Zeppelin recebeu um terreno de 80 mil metros quadrados, no subúrbio de Santa Cruz, no Rio de Janeiro, doados pelo Ministério da Agricultura, próximo á Baía de Sepetiba. Lá foi contruído um aeroporto para dirigíveis, ao qual foi dado o nome de Bartolomeu de Gusmão, em homenagem ao pioneiro balonista brasileiro.


Em 1933, os alemães vieram ao Brasil, para projetar um hangar para as aeronaves, em Santa Cruz. Tal hangar, pré-fabricado, foi construído pela Guttehoffnungshutte Aktien Geselschaft, na Alemanha, transportado por vida marítima e montado em Santa Cruz pela Companhia Construtora Nacional, durante 23 meses, empregando 5.500 operários, a partir de 1934.


O gigantesco hangar, ainda existente, tem 274 metros de comprimento, 58 metros de altura e 58 metros de largura, e é orientado no sentido norte-sul. os dirígíveis entravam pela porta sul, rebocados pela torre, que era móvel e se deslocava sobre trilhos.

hangar-do-Zepelin-no-Rio-de-janeiro


Um ramal de estrada de ferro chegava até o aeroporto, para conduzir os passageiros de e para o centro do Rio de Janeiro, um trecho de aproximadamente 35 Km até a Estação Dom Pedro II, atual Central do Brasil.


Em todos os sete anos de operação dos dirigíveis no Brasil, houve apenas um incidente, e nenhum acidente. O incidente ocorreu quando um dos homens que seguravam as cordas de amarração, no solo, não ouviu a ordem de "soltar a corda" e ficou pendurado, a grande altura do solo, até que a aeronave voltasse ao solo, alertada pelo pessoal em terra. Durante a descida, o homem bateu as pernas no telhado de uma construção, quebrando algumas telhas e machucando a perna, sem gravidade.


Viajar no Zeppelin era um luxo permitido para poucas pessoas. A passagem para a Alemanha era muito cara, algo equivalente a 10 mil Euros atuais (2011). O trecho doméstico entre o Rio e Recife também era caro, e poucos lugares eram disponíveis.

 

Planta da gôndola do Graf Zeppelim

Zeppelin_-_Gondola


O Graf Zeppelin oferecia grande conforto. Apenas 35 lugares eram disponíveis, e normalmente a lotação não ultrapassava 20 passageiros.


Os passageiros dispunham de cabines duplas, com beliches, sala de estar e de jantar, e até um salão para fumar, cuidadosamente isolado para não incendiar o perigoso e inflamával gás de sustentação da aeronave, o hidrogênio.

 

Porcelana do Graf Zeppelin, de 1928

Zeppelin---porcelana2

Exceto no salão de fumar, era proibido o uso de cigarros, charutos e cachimbos em qualquer lugar do dirigível.

 

Sala de estar e jantar do Graf Zeppelin

Zeppelin_sala_de_jantar


Os passageiros eram revistados no embarque, e o porte de isqueiros e fósforos era rigorosamente proibido. Os isqueiros do salão de fumar eram presos às mesas por correntes.


Corredor das cabines

Zeppelin_corredor_das_cabines


O serviço de bordo era comparável ao da primeira classe dos melhores navios de passageiros. A aeronave era bastante estável,  devido ao seu tamanho.


Cozinha do Graf Zeppelin

Zeppelin_Cozinha

Uma cozinha, cujos equipamentos operavam eletricamente, funcionava quase ininterruptamente, para fornecer a sofisticada alimentação disponível aos passageiros e tripulantes.


Sala de estar e jantar do Graf Zeppelin

Zeppelin_dinning_roon

A altitude de cruzeiro era de 3 mil pés, mas, quando a aeronave sobrevoava cidades ou a linha litorânea, era comum voar bem mais baixo, entre 300 e 1000 pés, para que os passageiros pudessem apreciar a paisagem.


Cabine em configuração diurna

Zeppelin_cabin_day

 

Cabine em configuração noturna

Zeppelin_cabin_night


A viagem entre o Rio e a Alemanha durava 5 dias. Dois dias eram necessários para a travessia do Atlântico. A velocidade máxima era de 128 Km/h, muito mais rápida que a velocidade dos navios de passageiros da época, que variava entre 25 e 40 Km/h.


Passageira em sua cabine

Zeppelin_-_cabin_night


A grande maioria dos voos do Graf Zeppelin para Brasil foi comandada por Hugo Eckener. Eckener, que além de pilotar, também foi um dos construtores dos dirigíveis alemães, acabou excluído dos últimos voos dos Zeppelins, especialmente os do Hindenburg, sucessor do Graf Zeppelin, por sua insistente oposição ao uso das aeronaves como propaganda para o regime nazista. Foi substituído por Ernst Lehmann, um aviador pró-nazista que acabou falecendo no desastre do Hindenburg, em maio de 1937.

O Graf Zeppelin completou, no total, 147 voos ao Brasil (sendo 64 transatlânticos) entre os 590 voos da sua longa carreira de 17.177,48 horas de voo, em nove anos de operação (1928-1937), o que tornou-o o mais bem sucedido dirigível da história da aviação. Foi uma fantástica e impecável carreira para uma aeronave que foi projetada e construída como protótipo, mas que, de tão perfeita, acabou sendo colocada em serviço. Transportou um total de 34 mil passageiros, 30 toneladas de carga, incluindo duas aeronaves de pequeno porte e um carro, e 39.219 malas postais, com total segurança e sem acidentes.

 

O Hindenburg em Santa Cruz, 1936. Ao fundo, o hangar em construção

Zeppelin_Hindenburg


A temporada de 1936 dos dirígiveis alemães foi marcada pelo primeiro voo comercial do D-LZ129 Hindenburg, sucessor do Graf Zeppelin. Esse voo inaugural, comandado por Lehmann, foi feito para o Brasil, e decolou para o Rio de Janeiro em 31 março de 1936. O grande maestro Heitor Villa-Lobos foi dos passageiros do Hindenburg, quando este retornou à Europa, em abril.


O Hindenburg

Zeppelin_Hindenburg_at_lakehurst


Entre os luxos introduzidos no Hindenburg, estava um piano Blüthner, especialmente fabricado em alumínio, e que pesava apenas 162 Kg. Em 1937, esse piano foi removido da aeronave, para aliviar o peso, o que salvou-o da destruição quando o Hindenburg se acidentou, em maio. Entretanto, esse notável instrumento musical acabou destruído em um bombardeio, na Segunda Guerra Mundial.


O piano de alumínio do Hindenburg

Piano_do_Hindemburg


Infelizmente,apenas 14 meses depois, o Hindenburg acidentou-se em Lakehurst, New Jersey, nos Estados Unidos. Pouco antes de pousar, a aeronave incendiou-se, por motivos até hoje não esclarecidos, no dia 6 de maio de 1937. 61 tripulantes e 36 passageiros estavam a bordo. Desses, faleceram 13 passageiros e 22 tripulantes, além de uma pessoa no solo. Essas 36 vítimas encerraram definitivamente a carreira dos dirígiveis Zeppelin.

 

Timetable dos voos dos Graf Zeppelin, 1934
 

Zeppelin_South_America_Schedule


Foi o fim de uma era. Apenas um mês depois, o Graf Zeppelin foi retirado de serviço. O dirigível-irmão do Hindenburg, o LZ-130 Graf Zeppelin II, já concluído, nunca chegou a entrar em serviço ativo. Depois de passar alguns anos em um museu, ambos foram desmontados em 1940, para aproveitamento do seu alumínio em aviões militares, por ordem do Marechal do Reich Hermann Goering.

 


O Hindenburg entrando no hangar, em Santa Cruz

zeppelin_hangar


O grandioso hangar de Santa Cruz foi usado por apenas nove vezes, cinco vezes pelo Graf Zeppelin e quatro vezes pelo Hindenburg. Durante a Segunda Guerra Mundial, em 1942, o Governo Brasileiro expropriou o Aeroporto Bartolomeu de Gusmão dos alemães e implantou lá uma base da Força Aérea Brasileira, ainda existente, Santa Cruz.

 

Torre de atracação de Jiquiá, em Recife

Zeppelin_torre_de_Jiquia_-_Recife


Passados 75 anos, pouca coisa resta da história dos Zeppelins no Brasil. A maior e mais notável é o hangar de Santa Cruz, ainda intacto e em uso pela Força Aérea Brasileira. Não é o último hangar de Zeppelins ainda existente, como reza a lenda, pois o hangar de Lakehurst ainda permanece igualmente intacto. Em Recife, ainda resta, relativamente intacta, a torre de atracação de Jiquiá. O Museu Aeroespacial, do Rio de Janeiro, tem em seu acervo uma das hélices de madeira do Graf Zeppelin e alguns pedaços de tela rasgada, resultado de trabalhos de manutenção, e nada mais.

 

O Graf Zeppelin e o Hindenburg foram as maiores e mais luxuosas aeronaves a atender voos internacionais de e para o Brasil, e as que tiveram as passagens mais caras, mesmo considerando as caras passagens dos voos servidos pelo Concorde. Também serviram as linhas para a América do Sul com total segurança, sem um único acidente. Mas, hoje, não passam de uma distante lembrança, de uma era que não volta mais.

Próx. Ant.

Pontos de abastecimento

27 Fev 2013

Pontos de abastecimento

Disponibilizamos a planilha contendo os postos de abastecimento disponíveis em todo o Brasil.   Clique aqui para download.

Leia aqui

Palestra sobre Segurança Operaci…

08 Ago 2012

Palestra sobre Segurança Operacional

No dia 17 de Agosto às 19:00h acontecerá no Clube CEU uma palestra sobre segurança operacional.   Esta é mais uma atividade técnica promovida com o intuito de aprimoramento opercional de nossos...

Leia aqui

Procedimento para os pilotos qu…

24 Jun 2012

Procedimento  para os pilotos que fazem exame médico no CEMAL

Foi publicado recentemente um novo procedimento para os pilotos que se submetem ao exame médico no Centro de Medicina Aeroespacial - CEMAL. Desde 01 de Junho de 2012 o...

Leia aqui

Regras Operacionais

30 Mar 2012

Regras Operacionais

Conheça as novas regras operacionais em vigência no aeródromo do CEU.

Leia aqui

Viajando no Graf Zeppelin

30 Nov 2011

Viajando no Graf Zeppelin

Em 1933, os alemães vieram ao Brasil, para projetar um hangar para as aeronaves, em Santa Cruz. Tal hangar, pré-fabricado, foi construído pela Guttehoffnungshutte Aktien Geselschaft,...

Leia aqui

Um é melhor que dois

30 Set 2011

Um é melhor que dois

Em matéria de segurança, quem ganha o embate: o o monomotor ou o bimotor? Uma das grandes discussões do voo esportivo diz respeito à comparação entre a segurança de um...

Leia aqui

O repouso do Hércules

06 Set 2011

O repouso do Hércules

Um mundo no meio do deserto. Bravos guerreiros do céu repousam sob o sol quente em variados lugares do planeta.

Leia aqui

Tarifas Aeroportuárias em vigor …

30 Ago 2011

Tarifas Aeroportuárias em vigor a partir de 14/3/201

Novos valores em vigor a partir de 14/3/2011 (para aeroportos da rede INFRAERO)

Leia aqui

Veterano de aço

02 Ago 2011

Veterano de aço

Ele foi o grande líder dos céus por quase 40 anos, ostenta o título de avião mais conhecido da história e é utilizado até pela Nasa no tranporte...

Leia aqui

Cronologia da aviação

29 Jul 2011

Cronologia da aviação

A história da aviação começa muito antes do surgimento dos primeiros aviões. O primeiro desbravador do ares foi curiosamente o balão. Na cronologia, vemos os primeiros voos, a...

Leia aqui

Asas à realidade

13 Jul 2011

Asas à realidade

A paixão pela aviação desportiva é compartilhada por muitos, porém, alguns vão mais além e buscam tornar esse prazeroso hobby em uma realidade para outros tantos ao montarem uma escola...

Leia aqui

ABS Indústria de Aeronaves cria …

13 Jul 2011

ABS Indústria de Aeronaves cria o primeiro anfíbio avançado com flutuadores brasileiro

  Um avião capaz de posar na água e navegar no mar ou em rios. O primeiro anfíbio  avançado  com flutuadores fabricado no Brasil trata-se do mais novo modelo do FK...

Leia aqui

Interdição das Operações de 16 a…

13 Jul 2011

Interdição das Operações de 16 a 24 de Julho de 2011

As operações em SDIN ficarão suspensas a partir da zero hora do dia 16/07 até o dia 24/07. Acontecerá no Rio de Janeiro a 5º edição dos Jogos Mundiais Militares. ...

Leia aqui

Ultra Pilot é credenciada para f…

05 Jul 2011

Ultra Pilot é credenciada para formação de pilotos CPD/CPR

A Agência de Aviação Civil (ANAC), em uma portaria de número 1069/SSO, de 1º de junho de 2011, confirmou a Ultra Pilot

Leia aqui

Charme e curiosidade em aeroport…

28 Jun 2011

Charme e curiosidade em aeroportos

Aeroportos são lugares de passagem. Para algumas pessoas, como executivos, é até uma segunda casa, por passarem tanto tempo a espera de vôos e transitando entre uma metrópole...

Leia aqui

NOTAM D1055/2011 SBRJ

21 Jun 2011

NOTAM D1055/2011 SBRJ

Importante NOTAM vigente até 28/08/2011.

Leia aqui

Os Gigantes do Céu

08 Jun 2011

Os Gigantes do Céu

O avião é até hoje o meio de transporte mais rápido, seguro e eficiente já construído pelo homem. Como é comum entre a espécie humana, a superação de limites também...

Leia aqui

Funcionamento e controle do espa…

06 Mai 2011

Funcionamento e controle do espaço aéreo brasileiro - Vídeo

Saiba porque a precariedade na infraestrutura dos aeroportos prejudica o trafego aéreo e conheça o que mudou no setor.

Leia aqui